Copergás destaca colaboradora que lê 8 livros por mês

26/05/2021

Hosana Maria da Silva é prestadora de serviços na Copergás há 10 anos, trabalhando no setor de limpeza como auxiliar de serviços gerais. A cada semana ela trabalha em um andar e é conhecida praticamente por todos os colaboradores – não só por sua atuação profissional, mas principalmente por um hábito que cultiva há décadas: o da leitura. Ela lê 8 livros por mês, média que deve aumentar porque acaba de ganhar um Kindle de presente. Hosana foi a entrevistada da seção quinzenal Além da Copergás, que é publicada no portal interno da Companhia com o objetivo de mostrar a vida dos colaboradores fora do expediente.

Ela lê todos os dias, nas horas que tem livre. No intervalo do almoço, após a refeição, tranca-se no vestiário e lê. À noite, quando retorna para casa, descansa lendo. Sempre livros. Uma média de oito por mês. A maioria de ficção, mas também biografias. “Quando estou lendo eu esqueço meus problemas, é como se eu estivesse só naquele ambiente, que me leva para outros lugares e me coloca em outras situações. Às vezes eu choro, tem livro que me faz chorar. Eu gosto de visualizar as cenas, sempre bem diferentes da minha vida”, diz ela.

Hosana mantém desde 2019 um caderno de leitura, no qual anota todos os livros que lê (foram 90 em 2019 e 54 em 2020). Entre uma página e outra, ela escreve frases que vê na internet ou nas leituras, sobre livros e literatura. “A leitura é importante para aprimorar nossas próprias ideias”, afirma uma. “O homem que não lê bons livros não tem nenhuma vantagem sobre o homem que não sabe ler”, diz outra.

Costumava gastar uma parte do seu salário comprando livros, e os ganhava também de pessoas amigas que sabiam de sua preferência. Ficava atenta às promoções – numa edição da Black Friday comemorou ao comprar 5 livros por menos da metade do preço. Agora, acaba de ganhar da irmã um Kindle, leitor digital de livros que lhe coloca ao alcance uma infinidade de obras a baixo custo.

Nas escolhas, ela tem grande predileção pelas indicações da youtuber Ju Cirqueira, que tem um bem sucedido canal sobre livros, com mais de 280 mil inscritos. “Quase todos que ela indica, eu procuro ler”, afirma.

A entrevista:

Quando surgiu seu amor pela leitura?

Você acredita que eu não sei? Fui criada por uma tia, a irmã de meu pai, que ainda é viva. Não tinha livros na casa, mas eu gostava muito de gibis. Como eu não tinha condições de comprar, eu ia na banca de revista na frente na escola. O dono me conhecia e deixava eu ficar lendo sem comprar… Eu tinha uns 10 anos na época. Mas não sei se foi isso que despertou meu hábito de leitura. Eu não aprendi a ler na escola, uma vizinha minha da época me dava aulas toda tarde, de graça, eu copiava textos e foi assim, copiando, que aprendi a ler. Eu lembro que criei o hábito de ler quando trabalhava na Faculdade Maurício de Nassau (emprego anterior de Hosana antes da Copergás) e li A Cabana (de William P. Young). Mas não foi dai que despertei o gosto pela leitura. Eu não sei em qual momento ou situação eu comecei a gostar de ler. Foi de repente. E leio todos os dias, tiro minha hora de almoço lendo e, quando chego em casa, ajeito minhas coisas e vou ler novamente por pelo menos 2 horas e meia a 3 horas.

Que autores ou estilos você gosta de ler?

Gosto de romances e biografias. Li as biografias de Michelle Obama (Minha história), de Elis Regina (Júlio Maria), de Gonzaguinha e Gonzagão (Regina Echeverria). Dos romances, gosto muito de Agatha Christie (autora inglesa, morta em 1976, considerada pioneira dos romances de suspense policial) e do Nicholas Sparks (autor americano com mais de 100 milhões de exemplares vendidos; 11 dos seus livros viram filmes, entre os quais Noite de tormenta (2008), com Richard Gere e Diane Lane). Também gosto muito de histórias da guerra, já li vários livros escritos por sobreviventes. Me emocionei com o diário de Anne Frank.

Quando estou lendo esqueço meus problemas, é como se eu estivesse só naquele ambiente, que me leva para outros lugares e me coloca em outras situações. Às vezes eu choro, tem livro que me faz chorar. Eu gosto de visualizar as cenas, sempre bem diferentes da minha vida.

Como você faz para conseguir os livros?

Separo um pouco do meu salário e compro. Muita gente que me conhece também me empresta ou me presenteia. Tantas pessoas… E em setembro minha irmã me deu um Kindle. Adorei. A princípio, não queria mudar a leitura para o digital, gosto do cheiro do livro novo, de colocar na estante, mas estou amando o Kindle. Já estou inscrita no Kindle Unlimited, que me dá acesso a uma biblioteca e posso pegar emprestado até 10 títulos por mês. Pago cerca de 20 reais por mês.  Estão na minha lista, para as próximas leituras, O colecionador de Ossos (Jeffery Deaver, 2017); O colecionador de Peles (Jeffery Deaver, 2014), o Conde de Monte Cristo (Alexandre Dumas,  1844) e Os Miseráveis (Victor Hugo, 1862), todos no Kindle.

Qual é o seu sonho para o futuro?

Eu gostaria muito de trabalhar com livros de alguma forma, mas é algo tão distante que nem penso nisso… Então, o meu sonho real mesmo é ser avó.