Copergás emite nota oficial sobre protesto de motoristas de aplicativos

10/05/2022

NOTA OFICIAL

A Companhia Pernambucana de Gás – Copergás é solidária com qualquer mobilização pela melhoria nas condições de trabalho dos motoristas de aplicativos de transporte. Mas a empresa acredita que a mobilização desta terça-feira (10), no Recife, foi realizada visando o endereço errado, pois deveria ocorrer na Petrobras, responsável pela alta nos preços de todos os combustíveis comercializados no Brasil.

A Copergás não produz gás natural. Ela distribui o produto fornecido por suas supridoras. Vende pelo preço que compra. A Companhia não ganha um centavo a mais com o reajuste no preço do gás natural, sendo remunerada pela construção da infraestrutura de distribuição do produto.

Entre todos os combustíveis comercializados em Pernambuco, o gás natural foi o único a permanecer com o mesmo valor por seis meses, entre novembro de 2021 e abril de 2022. Isso só foi possível porque a Copergás, de forma pioneira, contratou novos supridores do produto, de forma a não depender exclusivamente da Petrobrás. Hoje, a Companhia é uma das poucas no País a contar com três fornecedores de GN: Petrobrás, Shell e a New Fortress – esta última atendendo as redes implantadas nas cidades de Petrolina e Garanhuns.

Se continuasse tendo apenas a Petrobras como sua supridora, a Copergás não teria conseguido, como conseguiu, manter a mesma tarifa de novembro/2021 a abril/2022.

No caso do reajuste que passou a valer a partir de 1º de maio passado, o percentual cobrado pela Petrobras foi de 19,22%. No entanto, a existência de outros supridores permitiu que o repasse médio do gás natural distribuído pela Copergás fosse de 14,92%, sendo que para o GNV foi de 14,58%. O preço do gás natural é reavaliado apenas trimestralmente, em fevereiro, maio, agosto e novembro – ao contrário dos demais combustíveis que aumentam de preço diversas vezes ao ano, por decisão única e exclusiva da Petrobrás.

A verdade é que o gás natural distribuído pela Copergás tem a menor tarifa entre todos os Estados do Nordeste e um dos menores do Brasil. Contribui também a redução na alíquota do ICMS cobrado pelo Governo de Pernambuco.

Por tudo isso, protestar contra a Copergás pelo reajuste no preço dos combustíveis é uma ação equivocada, que tenta desviar o foco dos verdadeiros responsáveis pelos aumentos que afligem os consumidores brasileiros.