Copergás moderniza monitoramento da rede de distribuição

11/09/2014

A Copergás vai adotar um novo sistema para monitorar sua rede de distribuição. Com a novidade é possível acompanhar, remotamente, dados referentes a volume, pressão, temperatura, vazão e a taxa de odoração do gás natural em Pernambuco. Operado de um centro de controle, localizado na sede da empresa, em Recife, o sistema supervisório, permite, ainda, ampliar a quantidade de clientes acompanhados, atingindo 98% do volume total de gás natural comercializado no Estado.

Com o novo supervisório, a Copergás deverá obter maior precisão e velocidade na aquisição dos dados referentes à medição de consumo. Outra vantagem oferecida pelo supervisório, é que, por meio da Internet, o consumidor também terá acesso a algumas informações referentes a seu consumo. De acordo com o coordenador de Medição e Analise de Rede da Copergás, Riccardo Rosso, o formato via Web, vai permitir ao cliente, monitorar os dados de seu consumo, em tempo real.

Toda transmissão de dados ocorre por meio de GPRS, mesmo formato utilizado na telefonia celular. Outra facilidade é o envio de alertas, por e-mail ou SMS, referente a eventuais problemas na rede de gasodutos, ou nas estações de medição do cliente, com isso é possível emitir relatórios, gráficos históricos e outras mecanismos de supervisão. Posteriormente, com o aperfeiçoamento da ferramenta, há previsão de efetuar comando de válvulas remotamente, o que vai permitir agilizar operações na ocorrência de acidentes.

O desenvolvimento e implantação do sistema serão feitos pela Syspro Quality, empresa vencedora da licitação, que estará responsável pela adaptação dos consumidores, ligação e manutenção do sistema. A implantação do supervisório começa agora, em 2014, em fase de testes com previsão de início efetivo em janeiro de 2015. A Copergás possui uma das maiores redes de distribuição do Nordeste, com quase 600 km de extensão. Atualmente, a companhia comercializa um volume superior a 1,1 milhão de metros cúbicos/dia de gás natural para o mercado não-termelétrico.

Fonte: Assessoria de Comunicação