Estado pode ganhar 3ª fábrica da Schin

27/12/2012

Instalação de nova unidade em Pernambuco estaria sendo negociada com o governo do estado

Micheline Batista

Pernambuco pode ganhar uma terceira fábrica da Brasil Kirin, dona da marca Schincariol. Segundo fontes, a empresa estaria negociando a instalação da nova planta com o governo do estado. A chegada a Itapissuma do Grupo Petrópolis, dono das marcas Itaipava e Crystal, pode ter agilizado o processo. O grupo vai investir R$ 600 milhões em uma fábrica que deve entrar em operação em 2014.

A Schincariol possui 12 fábricas no Brasil, entre elas uma na Bahia (recentemente ampliada, com investimentos de R$ 400 milhões), duas em Pernambuco (Recife e Igarassu), uma no Ceará e uma no Maranhão. O Nordeste é seu maior mercado, representando 35% do faturamento.

Se a Itapaiva vem para o Nordeste e a Schincariol não amplia sua produção, inevitalmente vai perder mercado. No ranking do setor elaborado pela Nielsen, as duas disputam o segundo lugar, embora a Petrópolis com uma ligeira vantagem, posicionando-se atrás somente da Ambev. Em setembro deste ano, a Ambev tinha 69,8%, a Petrópolis 10,3%, a Schincariol 10% e a Heineken 8,5%,

A ideia é a de que a nova unidade tenha o mesmo porte da fábrica anunciada em agosto pelo Grupo Petrópolis, com capacidade para produzir 600 milhões de litros de cerveja. A Itapaiva também firmou protocolo de intenções para construir uma segunda planta em Alagoinhas (BA). Vai ser vizinha da Schincariol.

Procurado pela reportagem, o secretário de Desenvolvimento Econômico, Márcio Stefanni Monteiro, disse apenas que o que existem, desde 2011, são conversas. “Eles têm muito interesse no Nordeste e consideram Pernambuco como opção para uma possível ampliação da produção”, despistou. 

Ontem, durante coletiva de imprensa na Companhia Pernambucana de Gás (Copergás), foi dito que estava sendo negociado um novo contrato com a Schincariol para uma nova fábrica, para fornecer cerca de 40 mil metros cúbicos/dia. À tarde, por telefone, o diretor técnico comercial Jailson Galvão disse à reportagem que as negociações ainda estão no âmbito do governo do estado.

“Por isso ainda não temos elementos para caracterizar essa futura demanda deles. Ainda não chegamos nesse nível de detalhe. Esperamos que as negociações avancem para que possamos iniciar as tratativas diretamente com a Schincariol”, declarou Galvão. Hoje, a Copergás fornece cerca de 20 mil metros cúbicos/dia para as duas fábricas da Schincariol em Pernambuco. 

Já a Brasil Kirin informou que a conversa com a Copergás é para “readequação do contrato para abastecimento das duas fábricas em Pernambuco”. Esse contrato, é bom frisar, prevê expansão de capacidade.

Fonte: Diario de Pernambuco – Economia – 27/12/2012