Preço do gás terá queda média de 4,2%

23/01/2009

Copergás decidiu repassar redução do custo do combustível aplicada pela Petrobras. No caso do consumo residencial, retração será de 14,16%
A Copergás decidiu repassar integralmente a redução no preço do gás natural fornecido pela Petrobras. Com isso, a redução média para os consumidores de gás será de 4,24%. Após ponderar a crise e um pedido do governo do Estado, acionista majoritário, a Copergás optou por não pedir o aumento de margem a que tem direito, vinculado à variação do IGP-DI. A medida entra em vigor em fevereiro.

Seguindo a política de reajuste do gás, que calcula o preço do produto com base numa variação de petróleo, câmbio e outros fatores, a Petrobras comunicou uma redução no preço de 5,27%. A grande dúvida era quanto a Copergás iria repassar para o preço. Se o valor integral desta redução ou um valor menor, que incorporasse a redução mas também um aumento na sua própria margem de operação. “A Copergás é uma empresa do governo e nesse esforço contra a crise decidimos não repassar a variação do IGP-DI nesse momento”, afirmou o presidente da Copergás, Aldo Guedes. Como na tarifa há também o custo administrativo da entrega do gás, a adequação do preço é pouco menor do que os 5,27%. Guedes também confirmou que a empresa já sentiu uma queda de demanda em dezembro em virtude da crise, que diminuiu a produção de algumas indústrias que consomem gás natural.

Além disso, a empresa optou por reduzir a sua margem no segmento residencial, uma das prioridades de expansão da empresa. Com isso, a tarifa residencial terá uma queda de 14,16%. O gás natural veicular (GNV) terá uma queda de 4,4%, o segmento industrial pagará menos 4,09%, a co-geração energética uma redução de 4,8% e o comercial também uma queda de 3,55%. “A Copergás é uma das poucas empresas que está repassando toda a queda do gás natural para a tarifa”, afirmou Guedes, que citou o caso de outras distribuidoras que aproveitaram a mudança para incrementar as margens.

Atualmente, a Copergás tem pouco mais de 800 clientes residenciais, divididos em 24 edifícios. Hoje a rede está concentrada unicamente na Zona Sul, com presença em Boa Viagem e Piedade. Mas a previsão é de rápida expansão. Em 2009, espera-se atrair nove mil clientes e em 2010 adicionar 12 mil clientes por ano ao segmento residencial. Para atender essa expansão, a Copergás deve mudar sua sede de um empresarial em Boa Viagem para um amplo escritório na Mascarenhas de Morais. A redução mais expressiva no segmento residencial visa abocanhar um mercado que também é atendido pelo GLP. Para a Copergás, com a redução, o gás natural ficará cerca de 30% mais barato do que o GLP. O metro cúbico do gás para residências sairá de 2,25 para 1,93.

Fonte: Jornal do Commercio / Economia – 23/01/2009